19bimtz©imagens

HISTÓRICO DO 19º BATALHÃO DE INFANTARIA MOTORIZADO (19º BIMtz)

A História da Unidade teve inicio no século XVIII, quando em virtude das lutas em torno da Colônia de Sacramento, o Brigadeiro José da Silva Paes, então Comandante Militar e Governador do Distrito da Ilha de Santa Catarina criou, em 1739, um Batalhão de Artilheiros-Fuzileiros a quatro Companhias, constituindo então o embrião do atual 19º Batalhão de Infantaria Motorizado.
A tropa formada em 1739 iniciou sua longa e gloriosa folha de serviços em 1753, quando foi empregada nos combates contra os espanhóis no extremo sul do País.
Em 1768, o Batalhão foi transformado em Regimento.
Em 1772, devido à reorganização do Exército, foi criado o Regimento de Infantaria de Linha de Santa Catarina, primeira Unidade da tropa regular da qual descendemos diretamente. Naquele mesmo ano foi criado o Regimento de Infantaria de Linha do Maranhão, o qual, por via indireta, também é nosso antecedente. Iniciou-se assim, para os homens do Regimento uma vida itinerante, difícil, e marcada por muitas missões e heroísmo.
Em 1774 durante a CAMPANHA DO SUL, conquistaram o Forte dos Mosquitos. No início do século XIX, na Guerra contra Artigas, o Regimento sagrou-se vitorioso nas Batalhas de São Borja, Ibirocaí, Carumé, São Carlos e Taquarembó.
Em 1822, os Regimento de Infantaria de Linha de Santa Catarina e do Maranhão foram extintos, sendo criados novos Corpos de Tropa que lhes sucederam e foram empregados na GUERRA DA CISPLATINA, entre 1825 e 1828.
Assim, em 1839, face à eclosão da Revolução Farroupilha no Sul do País, o Presidente e Comandante das Armas de Santa Catarina, General Francisco José Soares de Andréa organizou três Batalhões: o da Boa Vista, o do Desterro e o da Serra. Pouco tempo mais tarde, os três Batalhões se fundiram e a Unidade resultante passou a ser conhecida como Batalhão Provisório da Serra, ou simplesmente Batalhão da Serra.
Este Corpo de Tropa, cujo nome histórico herdamos combateu contra as forças farroupilhas no Sul, e tomou parte em outras lutas internas, como as revoltas lideradas por Teófilo Otoni, em Minas Gerais; e pelo Padre Feijó, em São Paulo. 
Em 10 de janeiro de 1843, o  Batalhão da Serra foi transformado em 3° Batalhão de Fuzileiros, e com esta denominação voltou ao Rio Grande do Sul, sob as ordens do então Barão de Caxias, que posteriormente se tornou no Duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro. Naquele mesmo ano, participou das vitoriosas Batalhas de Ponche Verde e Porongos, ocasião em que o próprio Caxias lavrou um ofício ao Ministro da Guerra louvando o denodo e os prodígios de valor demonstrados em combate pelo 3° Batalhão de Fuzileiros.
Entre 1851 e 1852, durante a GUERRA CONTRA ORIBE E ROSAS, o 3° Batalhão de Fuzileiros houve-se galhardamente nos combates que travou, especialmente na Batalha de Paissandu. Posteriormente, durante a GUERRA DO PARAGUAI, entre 1865 e 1870, o  3° Batalhão de Fuzileiros cobriu-se de glórias em todas as principais Batalhas travadas nesta sangrenta luta: Passo da Pátria, Tuiuti, Humaitá, Itororó, Lomas Valentinas, Avaí e Perubebuí. Em todas elas, o Batalhão foi exemplo da ousadia, da intrepidez e da coragem do soldado brasileiro.
Em reconhecimento aos feitos de bravura do glorioso 3° Batalhão de Fuzileiros, sua memória é hoje representada no Estandarte Histórico da Unidade por meio do número 3.
Inicialmente sediado em Santa Catarina, passou por Porto Alegre e São Gabriel. Até que em 1922 foi transferido para São Leopoldo, com a denominação de 8º Batalhão de Caçadores. Em 12 de novembro de 1922 esta caserna foi finalmente inaugurada em São Leopoldo, sendo motivo de orgulho para seus militares e para a população Leopoldense que sempre se mostrou muito pródiga e carinhosa em acolher seus novos “filhos”. Logo se integraram aos Oficiais e Praças recém chegados de foma fraternal e calorosa.
Ao longo de sua gloriosa história, o Batalhão da Serra participou de inúmeros combates. Além das já citadas anteriormente, destaca-se ainda a atuação na Campanha de Canudos; na Campanha do Contestado; na Revolução de 1924; na atuação contra a Coluna Prestes; e na Revolução Constitucionalista de 1932.
 Em 1944, confirmando seu ardor bélico, coragem e bravura, o Batalhão partiu para o Continente Europeu e combateu ao lado das Forças Aliadas na Segunda Guerra Mundial. Terminado o cruento conflito em 1945, e de volta a São Leopoldo, o Batalhão recebeu uma das maiores homenagens do Exército  Brasileiro. Um bronze com a efígie de um expedicionário, por ter sido a Unidade que no âmbito da 3ª Região Militar, forneceu o maior contingente de soldados à Força Expedicionária Brasileira.
Orgulhosamente, esta honraria foi posicionada na entrada do Batalhão, para que todos possam se lembrar dos bravos filhos que nunca fugiram a luta e defenderam os ideais de liberdade e os interesses da nossa Pátria.
Além das denominações já vistas, em sua longa caminhada, o Batalhão da Serra recebeu tantas outras, como: 3° Batalhão de Infantaria Pesada, em 1870; 29º Batalhão de Infantaria do 10° Regimento de Infantaria, em 1908; 30º Batalhão de Infantaria do 10° Regimento de Infantaria, em 1918; 8° Batalhão de Caçadores, em 1919; 19° Regimento de Infantaria, em 1949; 1° Batalhão do 19º Regimento de Infantaria, em 1964; e, finalmente, 19° Batalhão de Infantaria Motorizado, em 1972.
O final do milênio descortinou novos desafios para o Batalhão da Serra e em 1993 foi designado Unidade de Pronto Emprego pelo Comando de Operações Terrestres e, no ano seguinte, começou a preparar seus efetivos para integrar Missões de Paz.
No início do século XXI, novamente o Comando de Operações Terrestres distinguiu a Unidade como Força de Ação Rápida Regional do Comando Militar do Sul. Oportunidade na qual participou da Missão de Apoio das Nações Unidas ao Timor-Leste, em 2002.
Em maio de 2004, a Unidade foi selecionada para integrar o primeiro contingente da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).
As destacadas participações em Missões de Paz a cargo da Organização das Nações Unidas, dignificaram o Batalhão no esforço internacional para preservação da paz e o credenciaram para novas missões. Assim, em 2011, o Batalhão da Serra foi chamado, e mais uma vez, enviou tropas para integrarem a Missão de Paz no Haiti.
 Em 2012, na Cidade do Rio de Janeiro, o Batalhão participou da Operação de Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha. De dezembro de 2014 a fevereiro de 2015, mais uma vez regressou ao Rio de Janeiro para atuar na Operação de Pacificação do Complexo da Maré.
De dezembro de 2015 a julho de 2016, com muito entusiasmo, a Unidade repetiu o seu passado de glórias. Chamada mais uma vez para integrar a Missão de Paz no Haiti, enviou aquele país caribenho o maior número de militares de uma só Unidade para compor o 23º Contingente Brasileiro.
No Estandarte Histórico do Batalhão, a figura de um Leão sobreposta a de uma Serra evoca suas origens e seu passado guerreiro, lembrando ainda o apelido “Leão da Serra”, como é conhecido por todos os militares que tiveram a honra de servir nesta respeitada e tradicional Unidade do Exército Brasileiro.
O 19º Batalhão de Infantaria Motorizado, celeiro das mais nobres tradições da Arma de Infantaria, é hoje conhecido e admirado em todos os Rincões de nossa Pátria. A bravura dos seus heróis do passado é motivo de inspiração e estímulo para todos aqueles que perfilam sob seu Estandarte.
Temos porém, a incontestável certeza que seus soldados, em sua maior parte, filhos deste Vale, que nos acolhe com tanto carinho, acudirão céleres ao chamado da Pátria, se for preciso novamente defendê-la, mesmo com o sacrifício da própria vida, e tendo sempre como base o seu lema: PRONTO!

NOTÍCIAS DO 19º BATALHÃO DE INFANTARIA MOTORIZADO

:: 19º Batalhão de Infantaria Motorizado (São Leopoldo - RS) realiza a Festa Regional da Infantaria!

SAIBA MAIS

LEGIÃO DA INFANTARIA BRIGADEIRO SAMPAIO ARMA DE INFANTARIA

Legião da Infantaria do Ceará - ©2008 - Todos os direitos reservados